31.8.09

"A Mais Exata

Eu sonho teu sorriso e me atravesso
Só penso no seu nome e nao confesso
E eu mudo o mundo mudo de palavras
Pra te trazer a rima mais discreta

Esqueço do passado por direito
O peso da verdade e o seu efeito
Mas nao se tem dominio do destino
E eu preso nos seus braços sou menino


De longe voce foi a mais exata...
De perto a minha porta mais aberta...
Do seu mundo eu levo a foto inalterada..
Do teu sorriso a polegada mais sincera.


A duvida foi sempre a mais bruta
Com a ironia que nos livra a culpa
Teus olhos e os meus olhos mesma luta
O laço inquieto, o mesmo inimigo

Mas nao se foge nunca de si mesmo
Toda escolha feita tem seu preço
Eu fui correr o mundo de castigo
Com os olhos sempre presos no espelho"

Canção linda do tiago - tiago correa ou tc, como alguns preferem.
Escutei e me emocionei com esta musica no show que ele fez com a Jennifer e até agora não paro de cantarolar.
=)

sensação boa!
e eu tava precisando!
(vocês escutam e me entendem aqui)

25.8.09

caiu-me como uma luva

"Adiamento

Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos…
Amanhã é o dia dos planos.
Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo;
Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã…"

Álvaro de Campos

navegando por aqui
devo dizer, caros 4 ou 5 leitores, que vocês me inspiraram e que no lugar em que se deposita idéias há uma represa e muito entulho também
faço campanha para conseguir organizar um pouco as coisas
...
espere
mas não é que tem uma logica?
só queria que todos os fundos que componho as palavras acompanhassem sua postagem
assim como na vida
a paisagem
a cor
a imagem
iiiiii
sei não
se to indo
prum lugar legal

e agora que só escrevo
assim
"Eu não sou da sua rua

Eu não sou da sua rua,
Eu não sou o seu vizinho
Eu moro muito longe, sozinho.

Estou aqui de passagem.

Eu não sou da sua rua,
Eu não falo a sua língua,
Minha vida é diferente da sua.

Estou aqui de passagem.

Esse mundo não é meu
Esse mundo não é seu."

Arnaldo Antunes

Não é de se admirar que na volta pra casa eu cantarolasse distraída esta musica. Pouco antes encontrara (na rua) com as mães de dois jovens que atendi - da mesma rua e família, ambos em cumprimento de medidas socio educativas, após atos em série.
E ainda nos disseram: se eles ainda tivessem uma familia desestruturada...
...
à caminho de casa, chuvinha caindo e a musica na cabeça
...

e é justo de fora que o caminho se faz
"Algo está me chateando;
acho que sou eu mesmo."

Dylan Thomas

23.8.09

curioso
insisto em assistir marilia gabriela entrevista e saia justa
e odeio
e insisto

e xingo
e saúdo tempos antigos
e insisto
busco no youtube
...
humpf


psicanalise faz mal a esta gente
dicas deste fim de semana:

dois filmes muito bons:

- Once, 'Apenas uma vez' - aquele musical lindo que se passa nas ruas da irlanda e trata do encontro. delicia de filme, trilha sonora incrivel! Dica da Jenny, Yan e c
Chris. transmitida por eles todos com muita paixão! Infalível!:)

- Fundo do coração - do Coppola, aparentemente um fracasso na época, me pareceu bem divertido e maluco. adorei os céus 'montados' = )
e descobri quem é a natascha kinski, que realmente é uma linda mulher. a trilha do tom waitts é boíssima e compoe super bem o filme.
esta noite vi o longa pinoquio

pinoquio é abençoado pela fada azul e passa a falar e se mexer, conforme o sonho de Gepeto. todos felizes, figaro (o gatinho) e cleo(a peixinha), até que pinoquio vai à escola.
na rua, no caminho entre uma coisa e outra, aparece um lobo meio raposa do cruzeiro, joão honesto,oferecendo a ele a possibilidade de trabalho como ator. imaginem o sucesso que faria um boneco de pau que anda e fala e, com toda aquela inocencia poderia ser manipulado de modo a render-lhe inumeras moedas.

no meio da trama que envolve inocencia, sedução, enrascadas, escolhas, mentiras e verdades, certo e errado, a educação tradicional como saída ainda compoe a moral da história, parte do pano de fundo.

meninos virando burros como se na rua houvesse apenas lobos!!!!

um navio cheio de meninos levados, destes que - dizem - 'não têm jeito' vai ao longe, mar adentro. e desemboca num grande casarão chamado ilha dos prazeres, que os meninos podem destruir, onde é permitido fumar, beber e fazer o que quiser.
O aprisionamento dos sujeitos tá aí com grades e portões.
pinoquio fumando e tudo o mais!
incrivel a diferença de se assitir a um classico disney na infância e hoje em diante
chocante, eu diria!rsrs

me chama atenção a figura do grilo falante, que vacila mais que pinoquio, não sabe se aposta nele ou se desiste.

pra mim o problema é o grilo ser falante

22.8.09

associando

um paciente paranoico que atendi há uns anos - no mesmo hospicio que disse que conheci a Drica - me disse, certa vez

'se vocês não dão conta do arroz com feião que são os casos de toxicomania, não darão nunca conta de um caso tão sofisticado como o meu'

aos 48 anos, ele parecia um pouco o nelson freire - assim, fisicamente
=)

tinha razão
(notaram?)
"sacrificar a emoção pela segurança
isso é horrivel, eu acho"

nelson freire, falando dos erros
não sei se o simão esbarrou nesta piada pronta
do premio multishow
nx zero, fresno e uma outra banda tocando
Inútil

ahahah
e os meninos mandaram bem demais
dibulharam!
mas Inutil foi bom demais

21.8.09

Fim de semana!!!!!
Oba!!!!
achei um blog fofo na pagina da minha amiga fofa

olha que bacana que a Giu escreveu :

"Sobre o medo

Eu tenho medo do novo, mas morro de medo de ficar presa ao velho.
Eu tenho medo de tudo que não entendo e de tudo aquilo que me faz sofrer.
Eu tenho medo de não passar nunca e, às vezes, tenho medo de passar rápido demais.
Eu tenho medo do escuro.
Eu tenho sempre medo de dar errado e esqueço todo o medo na hora de mergulhar.
Eu tenho medo de esquecer quando dá errado e medo de cometer sempre os mesmos erros.
Eu tenho medo da morte.
Eu tenho medo de água-viva.
Eu, como disse Clarice, não sei me entregar à desorientação. Tenho medo de viver o que não entendo.
Eu tenho medo também, mas queria que você não tivesse nunca."

dorei!
dona antonia é minha vizinha
nossa, fofa demais.
ela tem 89 anos. outro dia encontrei ela e subimos juntas o restinho do morro até a portaria do prédio. ela veio me contando que vai fazer 90 anos em setembro e que tava voltando da aula de dança. Sempre muito elegante e sorridente e como ela me a-do-ra, foi me contando uma história.
Na aula de dança, ainda agorinha, uma pessoa na aula reclamava muito, eram muitas suas dores.
D. Antonia lhe perguntou então quantos anos tinha. Quando ela lhe disse que tinha 73, minha doce vizinha, rindo como de costume, exclamou:
"ora, ahahah, mas tu é um broto!!!!"

e nada mais. rimos muito até chegar a porta de casa, de onde ela sai algumas vezes trazendo agrados. Outro dia me trouxe pão de queijo que ela tinha amassado no dia.
= )
o marido dela é igualmente fofo, e apesar de certa cerimonia, mesmo antes de conhecer já gostei dele

S. Deusdará!
olha o nome!
(de verdade)


good times

16.8.09

"Habitar o tempo

Para não matar seu tempo, imaginou:
vivê-lo enquanto ele ocorre, ao vivo;
no instante finíssimo em que ocorre,
em ponta de agulha e porém acessível;
viver seu tempo: para o que ir viver
num deserto literal ou de alpendres;
em ermos, que nõa distraiam de viver
a agulha de um só instante, plenamente.
Plenamente: vivendo-o dentro dele;
habitá-lo, na agulha de cada instante,
em cada agulha instante: e habitar nele
tudo o que habitar cedo o habitante.

2

E de volta de ir habitar seu tempo:
ele corre vazio, o tal tempo ao vivo;
e como além do vazio, transparente,
o instante a habitar passa invisível.
Portanto: para não matá-lo, matá-lo;
matar o tempo, enchendo-o de coisas;
em vez do deserto, ir viver nas ruas
onde o enchem e o matam as pessoas;
pois como o tempo ocorre transparente
e só ganha corpo e cor com seu miolo
(o que não passou do que lhe passou),
para habitá-lo: só no passado, morto."

João Cabral de Melo Neto

Amei!
"Rios sem discurso

Quando um rio corta, corta-se de vez
o discurso-rio de água que ele fazia;
cortado, a água se quebra em pedaços,
em poços de águas, em água paralítica.
Em situação de poço, a agua equivale
a uma palavra em situação dicionária:
isolada, estanque no poço dela mesma,
e porque assim estanque, estancada;
e mais: porque assim estancada, muda,
e muda porque com nenhum comunica,
porque cortou-se a sintaxe desse rio,
o fio de água por que ele discorria

*
O curso de um rio, seu discurso-rio,
chega mansamente a se restar de vez;
um rio precisa de muito fio de água
para refazer o fio antigo que o fez.
Salvo a grandiloquencia de uma cheia
lhe impondo interinaoutra linguagem,
um rio precisa de muita água em fios
para que todos os poços se enfrasem:
se reatando, de um para outro poço,
em frases curtas, então frase e frase,
até a sentença-rio do discurso único
em que se tem voz a seca ele combate."

João Cabral de Melo Neto
problema localizado por quem não usa batom e resolveu usar logo um vermelho
dica de mim pra mim
não se pode esquecer que tá de batom
é bom dar uma olhadinha no espelho vez ou outra
batom merece retoque
ou fica com cara de coringa
sem drama: né bom não

15.8.09

coisa de menino

video

assistindo a este video, feito pelo Cao Guimarães, me dei conta da diferença.
me dei conta do desentendimento
(e desentendimento, é um passo pra virilidade?
caminho irrecusável da masculinidade?)

lembrei do Rafa e do alerta, no percurso dos becos
joanna, isso aí é coisa de menino
não preocupa
é que vc não entende

e não entendo tão francamente...
teria sentido?
passei então a ficar atenta
e, mais que entender
consentir

é coisa de menino
e este aí,
o baile dos meninos

(- não se preocupe, eles estão apenas fingindo que se divertem)

Sempé
To boba com a Xuxa

14.8.09

lista:

Buika
Cibelle
Fernanda Abreu
Bebel
Feist


Bebel pra experimentar
meu marido começando uma desculpa por ter feito algo no calor do momento

(ofegante e risonho): imbuído do espírito de ânimo de arrumar a casa....

eu: ahahahah, como é, em-bu-í-do do esp.... ahahahah
(tomando nota)
ãn, continua ... rsrsrsr

11.8.09

Dri, desculpe copiar do seu blog tão em tempo real, mas foi inevitável!
desta vez, francamente i-ne-vi-tá-vel!


"Silêncio
Tati Bernardi

Disse pra mim. Nenhum pio. Não vou falar nada. Já que sou tão imprópria, inadequada, boba. Já que nunca basto e se tento me excedo. Já que não sei o que deveria ou exagero em querer saber o que não devo. Nunca entendo exatamente, nunca chego lá, nunca sou verdadeiramente aceita pela exigência propositalmente inalcançável. Meu riso incomoda. Meu choro mais ainda. Minha ajuda é pouca. Meu carinho é pena. Meu dengo é cobrança. Minha saudade é prisão. Minha preocupação chatice. Minha insegurança problema meu. Meu amor é demais. Minha agressividade insuportável. Meus elogios causam solidão. Minhas constatações boas matam o amor. As ruins matam o resto todo. Minhas críticas causam coisas terríveis. Minhas palavras cuidadas incomodam. Minhas palavras jogadas, mais ainda. Minhas opiniões sempre se alongam e cansam. Minhas histórias acabam sempre no egocentrismo ou preconceito. Meu sem fim dá logo vontade de encurtar. Minha construção, desconstrói. Meus convites quase nunca agradam. Meus pedidos sempre desagradam. Meus soquinhos de frases são jovens demais. Meu bombardeio de coisas sempre acaba em guerra. Minha paz que viria depois nunca chega, pois eu nunca chego. Minha voz doce assusta. Minha voz brincalhona é ridícula. Minha voz séria alarde. Nenhum pio. Disse pra mim. Falar do que sinto é, na hora, desintegrar com seu olhar. Então fico me perguntando sobre o que deveria dizer, se só sei o que sinto. Devo sentir por personagens de livros, filmes, jornais e ruas? É assim que se diz sem ser o que não importa de verdade? E se for o contrário? Mas pra dizer do contrário, fica sempre no ar, é melhor não dizer. Se digo algo sobre minha vida, só sei falar de mim. Se digo algo sobre a vida dele, coitada de mim, achando que sei alguma coisa da vida. Se falo sobre a vida dos outros, que papo furado é esse? Se falo sobre coisas me sinto mais uma delas. Se provoco, eu que provoque sozinha porque ele não é trouxa de cair. Sobre livros, nunca são os que interessam. Sobre minha reportagem, nem quis ler. Meu trabalho nunca foi e nunca será da mulher dos sonhos. Meus sonhos evito falar, um medo de ser menina. Quieta. É assim que será. Se digo certo, isso logo acaba. Se digo certeiro, acabou. Se digo errado, nunca acaba. Se eu for mulher, mulher é um saco. Se eu for homem, homem só existe ele. Se eu for criança, fale com sua analista. Nenhum pio. Combinei comigo. Falar da gente pode? Pode, desde que, depois, eu tenha estrutura para ver toda uma massa desistente desabando sobre meu sofá pequeno. Nadinha. Não vou falar nada. Sobre dor não toca. Sobre prazer toca pouco. Nada. Porque toda vez que eu pergunto, quase ofende. E se respondo, ofende mais. E se exclamo, minha vontade de viver soterra. E se são três pontinhos, não posso. Se começo preciso terminar. Mas quando termino, ele já não está mais. Se repito, quase explode. Se digo uma, sou boa de ser guardada em algum lugar que nunca vejo. Se não explico, pareço louca. Se explico, sou louca. Quieta. Isso! Você consegue! Se for o que eu penso, eu penso errado. Se for o que eu não penso, errei por não pensar. Se não for nada disso, eu que pensasse antes. Se estou animada, cuidado com a rasteira. Se estou desanimada, não tem mão pra levantar. Nada. Não vou sussurrar. Nem gemer. Nenhum som. Respiração muda. O silêncio absoluto. Olhando pra ele. Lembrando de quando ele me disse que é no silêncio que se sabe a verdade. E a verdade chega como um teto gigante que desaba numa cabecinha de vento. O que eu mais temia. O que eu não queria descobrir. Ela me diz. E o pior é que eu nem posso falar por ela. É tudo mentira."

9.8.09

to apaixonada com a Itapema fm de Floripa!
(o mundo toca ali. fato.)
Arekipa

video

é dada a largada para os festejos arekipeños

8.8.09

adorável

video

e o fusca vermelho?
é muito charme ;)

(meu nome é gal, 1970)
"- Gullar, vou lhe fazer uma pergunta muito dificil que eu mesma não saberia responder. É o seguinte: como nasce em você, o poema, a palavra escrita?

- Em mim o poema quase sempre é provocado por um choque emocional qualquer... o choque emocional já por si provoca as palavras, eu em geral não em preocupo em escolhê-las, elas jorram."
Ferreira Gullar

"- Você mudou de estilo de cantar. Por exemplo, nao usa tanto os braços. Porque a mudança? Para sair da rotina ou porque você ficou mais moderna?
- A gente vai vivendo - e eu sou uma pessoa que vive intensamente, tirando o maximo de tudo - a gente vai vivendo e modifica-se a cada dia. Juntando-se a isso a pouca idade e maturidade incompleta no meu início de carreira, é absolutamente normal, penso eu, que eu esteja me modificando sempre. Acho que nenhum ser tem o direito de se cristalizar nem os outros têm o direito de exigir isso dele."
Elis Regina

"- Paulo, você acha que a vida é boa?
- Não conheço nada melhor que viver, apesar de tudo. Apesar de tudo, Clarice.
- Você é religioso?
- Oficialmente não. Mas se ser religioso é acreditar na capacidade humana de progredir por dentro, é acreditar em ser bom pelo amor aos outros, é tentar ser útil - entao, sim, sou religioso.
- Você ainda sente um certo frisson antes de entrar em cena?
- No dia em que não sentir mais isso é porque nada mais terei a dizer num palco. E você,, Clarice, acha que a vida é boa?
- É bom ser. Mas só isso."
Paulo Autran


Trechos do livro entrevistas - feitas por Clarice Lispector

6.8.09

aderi

"


Fechamento do Moreira Salles
.
Fui informado pelo Eugênio Sávio que alguns fotógrafos e artistas plásticos farão uma manifestação na porta do Instituto Moreira Salles, nesse sábado, às 13 horas.
.
A idéia e que todos estejam com uma camiseta preta e façam uma foto na porta do prédio. Com essa foto e, naturalmente, com um abaixo assinado, inicia-se um movimento para que:
.
1 - O Instituto funcione, pelo menos, até o fim do ano – e quem sabe por mais tempo ainda – e;
.
2 - Caso ele realmente seja desativado, que o espaço seja utilizado por uma outra instituição cultural e não perca a função que teve nos últimos anos.
.
Vale lembra que em poucos meses o Cine Brasil será inaugurado, assim como o SESC Paladium. É preciso aproveitar esse movimento para dar uma nova dinâmica à vida cultural no centro da cidade e estender um pouco o corredor cultural planejado para ir do Palácio das Artes à Praça da Liberdade.
.
Peço que, se possível, divulguem essa proposta ao máximo. Boa sorte para todos nós!
.
(Foto de Euler Júnior, do Estado de Minas)"

Aderi então ao movimento proposto pelo Ferdi em nome de uma causa que é nossa : )

5.8.09

“O meu mundo não é como o dos outros; quero demais, exijo demais!
Há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante,
que nem eu mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessimista,
sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, (...),
que tem saudade... sei lá de quê!”

(Florbela Espanca)